Índices

Um índice de ações indica a variação média de preços de uma cesta de ações, chamada carteira teórica, em um determinado período. Seus valores são expressos em pontos e sua variação é medida em percentual.

Os índices vão se diferenciar de acordo com os segmentos que representam. Suas carteiras podem representar determinados setores industriais, papéis mais negociados, maiores empresas, níveis de governança corporativa diferenciados ou outra categoria específica.

Cada índice é criado a partir de regras específicas que elegem os papéis que vão compor sua carteira e serve como ponto de referência (benchmark) para medir o desempenho de determinado mercado, conjunto de empresas ou ações de um setor específico.

Cumprem basicamente três objetivos: são indicadores de variação de preços do mercado, servem de parâmetros para avaliação de performance de portfólios, e podem ainda servir como instrumentos de negociação no mercado futuro.

FGV100 e FGV100E

Índice calculado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) para avaliar o desempenho das 100 empresas privadas não financeiras mais capitalizadas na BM&FBovespa. O FGV100E inclui também empresas estatais em sua carteira teórica.

Ibovespa

O Índice da BM&FBovespa mede o comportamento das ações mais negociadas e indica o desempenho médio das cotações de uma carteira teórica de ações negociadas no pregão.

A carteira teórica é composta por empresas que representaram 80% do volume negociado no mercado nos últimos 12 meses. Os papéis do Ibovespa também devem ter presença mínima de 80% dos pregões analisados e participação superior a 0,1% do volume financeiro total. Essa carteira teórica é revisada a cada quatro meses.

IBRX e IBRX50

O IBrX (Índice Brasil), também calculado pela BM&FBovespa, mede o desempenho das 100 ações mais negociadas, ponderadas pelo seu valor de mercado (número de ações disponíveis no mercado multiplicado pelo valor da ação). Os papéis são escolhidos em uma relação de ações classificadas em ordem decrescente por liquidez, de acordo com seu índice de negociabilidade (medido nos últimos 12 meses), tendo sido negociadas em pelo menos 70% dos pregões ocorridos nos 12 meses anteriores à formação da carteira.

O IBrX 50 tem as mesmas características do IBrX, mas apresenta a vantagem operacional de ser mais facilmente reproduzido pelo mercado porque tem um número menor de ações.

O índice mede o retorno total de uma carteira teórica composta por 50 ações selecionadas entre as mais negociadas na BM&FBovespa em termos de liquidez, ponderadas na carteira pelo valor de mercado das ações disponíveis à negociação.

IEE

O Índice das Empresas de Energia Elétrica, também calculado pela BM&FBovespa, mede o comportamento das ações das principais empresas de energia elétrica. Foi lançado em agosto de 1996 com o objetivo de medir o desempenho do setor de energia elétrica e foi o primeiro índice setorial da BM&FBovespa.

IGC

O Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada tem por objetivo medir o desempenho de uma carteira teórica composta por ações de empresas que apresentem bons níveis de governança corporativa. Tais empresas devem ser negociadas no Novo Mercado ou estar classificadas nos Níveis 1 ou 2 da BM&FBovespa.

Fonte: www.comoinvestir.com.br