Riscos

Os títulos disponíveis para negociação no Tesouro Direto - LTN, LFT, NTN -, classificam-se como investimentos de renda fixa de baixo risco de crédito.

Se o investidor mantiver os títulos adquiridos até a data de vencimento, receberá exatamente a rentabilidade acordada no momento da compra. Caso resolva vendê-lo antecipadamente, receberá o preço de mercado do título na data da venda. Esse preço varia em função da expectativa das taxas de juros e da inflação pelos agentes financeiros, além de um eventual prêmio de risco embutido, o que pode ocasionar uma  rentabilidade maior ou menor do que a esperada inicialmente.  Tanto o resgate como a recompra é realizada pelo Tesouro Nacional e o risco de crédito existe apenas caso o Governo não honre seus compromissos

Além disso, os riscos relevantes que devem ser considerados nos investimentos em títulos públicos são:

LIQUIDEZ (dificuldades em transformar o investimento em caixa) é o risco comum a todos os tipos de títulos públicos.

No caso do Tesouro Direto, há liquidez semanal, as quartas-feiras, quando o Tesouro recompra seus títulos a preço de mercado. Também há a possibilidade de venda no mercado secundário, com restrições para volumes baixos, através do agente custodiante ou banco.

RISCO DE MERCADO, ou de TAXA DE JUROS (oscilações de mercado que podem frustrar a expectativa de rentabilidade original).

Um aspecto importante a ser levado em conta na análise de investimentos em renda fixa é a disponibilidade do investidor em não resgatar (vender) o título antes do seu vencimento. Neste caso, sua rentabilidade não será afetada pelas oscilações de mercado, a não ser pela parcela indexada, se houver (caso dos títulos em índices de preços e pós-fixados).

Por outro lado, se existir a hipótese de que o título necessite ser vendido antes do vencimento, seja em função de necessidade de recursos pelo investidor ou de oportunidade de realização de lucros acima do esperado, a avaliação do valor desse ativo deve ser feita a preços correntes de mercado – procedimento conhecido por marcação a mercado.

Exemplo 1

O investidor compra um título prefixado (LTN) de vencimento em um ano (252 dias úteis) por R$ 899,00 e irá receber R$ 1.000,00 por cada unidade de título comprado, representando uma rentabilidade no período de 11,23%, o que equivale uma rentabilidade diária de 0,0423%.

No período compreendido entre a compra do título e o seu vencimento, caso o investidor necessite vender este título, sua rentabilidade pode oscilar acima ou abaixo da rentabilidade diária esperada, representando ganhos maiores ou menores, dependendo do momento da venda.

Em períodos de extrema incerteza, pode inclusive, representar perdas ao investidor. Se as taxas de juros subirem, a LTN comprada pelo investidor, com taxas de juros menores, pode perde valor. Neste caso, se o investidor precisar vender o título antes do vencimento, receberá um valor menor do que o esperado para a referida data. Da mesma forma, se as taxas de juros caírem e o investidor vender o título antes do seu vencimento, poderá obter um ganho maior do que o esperado para a referida data. No vencimento, no entanto, a LTN sempre valerá R$ 1.000,00, proporcionando uma rentabilidade prefixada, conforme pactuada no momento da compra do título.

O mesmo raciocínio vale para os títulos atrelados aos índices de preços (NTN-B e NTN-C). No período entre a compra e o vencimento dos títulos, seus preços podem variar de acordo com as expectativas dos agentes financeiros quanto à taxa real de juros. Além disso, ainda há o componente pós-fixado (a inflação) que corrige os preços nominais dos títulos, o qual pode  manter-se acima ou abaixo das expectativas iniciais dos investidores.

No caso das LFT (títulos atrelados a Taxa Selic), vale lembrar  que os títulos podem ser vendidos com ágio ou deságio, afetando o rendimento dos investidores. Nesta hipótese, ainda existe uma parcela que depende das flutuações de mercado, em função das expectativas dos agentes financeiros e do equilíbrio entre oferta e procura pelos títulos.

Exemplo 2

Um investidor comprou uma LTN com prazo de dois anos – 504 dias úteis (Cenário I – vide Quadro Comparativo). Como o preço no vencimento é de R$ 1.000,00 por título, receberá R$ 1.000,00 no vencimento. O preço da compra foi de R$ 776,26, o que representa uma taxa de 13,50% a.a. e um rendimento diário de 0,0503%.

No entanto, passados 75 dias ele resolveu vender esse ativo (Cenário II - vide Quadro Comparativo). Como no período, entre a compra e a decisão da venda as expectativas dos agentes de mercado passaram a considerar taxas de juros mais baixas no futuro, (menor incerteza com relação à trajetória da inflação, por exemplo, é um fator que pode desencadear uma revisão), esse ativo era negociado à taxa de 10,06%, e o preço de venda foi de R$ 849,44. No período em que deteve o ativo, a rentabilidade bruta diária dessa operação foi de 0,1202%, superior, portanto, à sua perspectiva inicial.

Outra possibilidade pode ser considerada, levando-se em conta uma piora do cenário econômico, com elevação dos riscos distribuídos ao longo da curva de juros. Assim, caso a necessidade de geração de caixa pelo investidor tivesse se dado 276 dias após a aquisição (Cenário III- vide Quadro Comparativo), os preços negociados com o título embutiriam uma taxa de juros maior (20,00%), ou seja, a venda se daria por um valor mais baixo do que o esperado, caso a taxa de juros permanecesse a mesma. Dessa forma, o preço de venda após 276 dias foi de R$ 847,93, com rentabilidade no período de 0,0320% ao dia.

Deve-se ressaltar que, a variação de preço de um título público varia em função do prazo de vencimento deste título. Quanto mais próximo do vencimento, menores serão as possibilidades de perda do principal. E, conforme comentado anteriormente, no caso de o título ser levado ao vencimento, sua rentabilidade será aquela pactuada na data da compra do título. Note que os títulos prefixados longos embutem riscos maiores, em função de eventuais alterações do cenário econômico. Nesse sentido, apesar de eventuais ganhos em relação ao principal, o investidor está sujeito a perdas em relação aos custos de oportunidade (comparando-se seu investimento as demais alternativas).

Exemplo Hipotético
Cenário I
Prazo até o Vencimento 2 anos (504 d.u.)
Prazo até o vencimento
Taxa de Compra (% a.a.)
Taxa de Venda(% a.a.)
Preço de Compra (R$)
Preço de Resgate (R$)
Rentabilidade Efetiva ao dia (%)
Rentabilidade Efetiva em 504 d.u. (%)
504 d.u.
13,50
--
776,26
1.000,00
0,0503
28,82
Cenário II
Operação de Venda após 75 d.u.
Prazo até o vencimento
Taxa de Compra (% a.a.)
Taxa de Venda(% a.a.)
Preço de Compra (R$)
Preço de Venda (R$)
Rentabilidade Efetiva ao dia (%)
Rentabilidade Efetiva em 75 d.u. (%)
429 d.u.
13,50
10,06
776,26
849,44
0,1202
9,43
Cenário III
Operação de Venda após 276 d.u.
Prazo até o vencimento
Taxa de Compra (% a.a.)
Taxa de Venda(% a.a.)
Preço de Compra (R$)
Preço de Venda (R$)
Rentabilidade Efetiva ao dia (%)
Rentabilidade Efetiva em 276 d.u. (%)
228 d.u.
13,50
20,00
776,26
847,93
0,0320
9,23

Fonte: www.comoinvestir.com.br

Últimas Notícias

Embraer e Horizon Air fecham contrato de US$ 2,8 bi

12/04/2016 22:53
Divulgação/Embraer Jato E175, da Embraer: com esse contrato, a Embraer já vendeu 332 aviões E175 a companhias aéreas da América do Norte Da AFP A Embraer assinou um acordo com a americana Horizon Air para a venda de 30 aeronaves E175, por 2,8 bilhões de dólares a preço de...

Eletrobras contrata banco para vender ativos da Eletrosul

28/03/2016 22:57
Adriano Machado/Bloomberg Linhas de transmissão da Eletrobras: estatal quer levantar 2 bilhões com venda de ativos, que incluem usinas eólicas e linhas de transmissão da Eletrosul. Da REUTERS São Paulo/Rio de Janeiro - A estatal Eletrobras contratou o banco Credit Suisse para...

CSN é condenada a pagar multa de R$ 13 mi

13/02/2016 18:00
Douglas Engle/Bloomberg News CSN: siderúrgica leva multa por problemas em Usina Presidente Vargas Do Estadão Conteúdo Rio – A CSN foi condenada a pagar R$ 13 milhões por ter descumprido um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), segundo o Ministério Público do Rio de...

Fitch diz que resultado da Gol eleva risco de inadimplência

04/02/2016 20:22
Exame.com/Karin Salomão Gol: para a Fitch, o principal risco à nota da Gol é a deterioração da demanda, que deve sofrer pressão dado o ambiente econômico no Brasil Marcelo Osakabe, do Estadão Conteúdo São Paulo - Caso não ocorra novo aporte de capital por parte de seus...

Eletrobras vai avaliar ativos da Abengoa, diz presidente

26/01/2016 21:01
Divulgação Subestação Assis, da Abengoa Brasil: no Brasil, a Abengoa tem sua principal atuação na transmissão de energia, segmento em que a própria Eletrobras atua fortemente Leonardo Goy, da REUTERS Brasília - A estatal Eletrobras vai analisar a possibilidade de disputar ativos...

Rio Tinto pode tirar Vale do 1º lugar em produção de minério

24/01/2016 18:32
Yusuf Ahmad/Reuters Funcionário da Vale: Rio Tinto prevê que a produção de suas minas, incluindo as toneladas alocadas a parceiros, aumentará cerca de 7 por cento neste ano David Stringer, da Bloomberg A Rio Tinto está prestes a empatar com a Vale – ou até mesmo desbancá-la – no...

Terminal da Vale no Maranhão será o maior do mundo em 2018

06/01/2016 22:27
Minério de ferro no Terminal Marítimo da Ponta da Madeira, da Companhia Vale do Rio Doce Da REUTERS São Paulo - O porto de Ponta da Madeira (TMPM), operado pela mineradora Vale em São Luís (MA), que completa 30 anos de operação nesta quarta-feira, está em processo de expansão para...

Calotes deixam Petrobras com R$1 bi a receber, diz Aneel

07/12/2015 20:55
Ueslei Marcelino/Reuters Petrobras: documento lista os créditos de empresas do setor nas liquidações financeiras da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Da REUTERS São Paulo - A suspensão de liquidações financeiras do mercado de energia elétrica e a inadimplência elevada...

CPFL vê onda de venda de ativos com estrangeiros na disputa

03/12/2015 21:21
Divulgação CPFL: a CPFL pode aproveitar para ampliar sua fatia no mercado brasileiro de distribuição, hoje em 13 por cento Luciano Costa, da REUTERS São Paulo - A CPFL Energia vê um cenário aquecido para vendas de ativos de geração e distribuição de energia no Brasil nos próximos...

BTG Pactual anuncia Persio Arida como CEO interino

25/11/2015 21:37
Flavio Santana/Biofoto/EXAME.com Pérsio Arida, do BTG Pactual: nomeação ocorreu após a Polícia Federal ter prendido nesta manhã o fundador e presidente-executivo do BTG Pactual, André Esteves Da REUTERS São Paulo - O BTG Pactual afirmou nesta quarta-feira que o Conselho de...
<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>