Riscos

Os títulos disponíveis para negociação no Tesouro Direto - LTN, LFT, NTN -, classificam-se como investimentos de renda fixa de baixo risco de crédito.

Se o investidor mantiver os títulos adquiridos até a data de vencimento, receberá exatamente a rentabilidade acordada no momento da compra. Caso resolva vendê-lo antecipadamente, receberá o preço de mercado do título na data da venda. Esse preço varia em função da expectativa das taxas de juros e da inflação pelos agentes financeiros, além de um eventual prêmio de risco embutido, o que pode ocasionar uma  rentabilidade maior ou menor do que a esperada inicialmente.  Tanto o resgate como a recompra é realizada pelo Tesouro Nacional e o risco de crédito existe apenas caso o Governo não honre seus compromissos

Além disso, os riscos relevantes que devem ser considerados nos investimentos em títulos públicos são:

LIQUIDEZ (dificuldades em transformar o investimento em caixa) é o risco comum a todos os tipos de títulos públicos.

No caso do Tesouro Direto, há liquidez semanal, as quartas-feiras, quando o Tesouro recompra seus títulos a preço de mercado. Também há a possibilidade de venda no mercado secundário, com restrições para volumes baixos, através do agente custodiante ou banco.

RISCO DE MERCADO, ou de TAXA DE JUROS (oscilações de mercado que podem frustrar a expectativa de rentabilidade original).

Um aspecto importante a ser levado em conta na análise de investimentos em renda fixa é a disponibilidade do investidor em não resgatar (vender) o título antes do seu vencimento. Neste caso, sua rentabilidade não será afetada pelas oscilações de mercado, a não ser pela parcela indexada, se houver (caso dos títulos em índices de preços e pós-fixados).

Por outro lado, se existir a hipótese de que o título necessite ser vendido antes do vencimento, seja em função de necessidade de recursos pelo investidor ou de oportunidade de realização de lucros acima do esperado, a avaliação do valor desse ativo deve ser feita a preços correntes de mercado – procedimento conhecido por marcação a mercado.

Exemplo 1

O investidor compra um título prefixado (LTN) de vencimento em um ano (252 dias úteis) por R$ 899,00 e irá receber R$ 1.000,00 por cada unidade de título comprado, representando uma rentabilidade no período de 11,23%, o que equivale uma rentabilidade diária de 0,0423%.

No período compreendido entre a compra do título e o seu vencimento, caso o investidor necessite vender este título, sua rentabilidade pode oscilar acima ou abaixo da rentabilidade diária esperada, representando ganhos maiores ou menores, dependendo do momento da venda.

Em períodos de extrema incerteza, pode inclusive, representar perdas ao investidor. Se as taxas de juros subirem, a LTN comprada pelo investidor, com taxas de juros menores, pode perde valor. Neste caso, se o investidor precisar vender o título antes do vencimento, receberá um valor menor do que o esperado para a referida data. Da mesma forma, se as taxas de juros caírem e o investidor vender o título antes do seu vencimento, poderá obter um ganho maior do que o esperado para a referida data. No vencimento, no entanto, a LTN sempre valerá R$ 1.000,00, proporcionando uma rentabilidade prefixada, conforme pactuada no momento da compra do título.

O mesmo raciocínio vale para os títulos atrelados aos índices de preços (NTN-B e NTN-C). No período entre a compra e o vencimento dos títulos, seus preços podem variar de acordo com as expectativas dos agentes financeiros quanto à taxa real de juros. Além disso, ainda há o componente pós-fixado (a inflação) que corrige os preços nominais dos títulos, o qual pode  manter-se acima ou abaixo das expectativas iniciais dos investidores.

No caso das LFT (títulos atrelados a Taxa Selic), vale lembrar  que os títulos podem ser vendidos com ágio ou deságio, afetando o rendimento dos investidores. Nesta hipótese, ainda existe uma parcela que depende das flutuações de mercado, em função das expectativas dos agentes financeiros e do equilíbrio entre oferta e procura pelos títulos.

Exemplo 2

Um investidor comprou uma LTN com prazo de dois anos – 504 dias úteis (Cenário I – vide Quadro Comparativo). Como o preço no vencimento é de R$ 1.000,00 por título, receberá R$ 1.000,00 no vencimento. O preço da compra foi de R$ 776,26, o que representa uma taxa de 13,50% a.a. e um rendimento diário de 0,0503%.

No entanto, passados 75 dias ele resolveu vender esse ativo (Cenário II - vide Quadro Comparativo). Como no período, entre a compra e a decisão da venda as expectativas dos agentes de mercado passaram a considerar taxas de juros mais baixas no futuro, (menor incerteza com relação à trajetória da inflação, por exemplo, é um fator que pode desencadear uma revisão), esse ativo era negociado à taxa de 10,06%, e o preço de venda foi de R$ 849,44. No período em que deteve o ativo, a rentabilidade bruta diária dessa operação foi de 0,1202%, superior, portanto, à sua perspectiva inicial.

Outra possibilidade pode ser considerada, levando-se em conta uma piora do cenário econômico, com elevação dos riscos distribuídos ao longo da curva de juros. Assim, caso a necessidade de geração de caixa pelo investidor tivesse se dado 276 dias após a aquisição (Cenário III- vide Quadro Comparativo), os preços negociados com o título embutiriam uma taxa de juros maior (20,00%), ou seja, a venda se daria por um valor mais baixo do que o esperado, caso a taxa de juros permanecesse a mesma. Dessa forma, o preço de venda após 276 dias foi de R$ 847,93, com rentabilidade no período de 0,0320% ao dia.

Deve-se ressaltar que, a variação de preço de um título público varia em função do prazo de vencimento deste título. Quanto mais próximo do vencimento, menores serão as possibilidades de perda do principal. E, conforme comentado anteriormente, no caso de o título ser levado ao vencimento, sua rentabilidade será aquela pactuada na data da compra do título. Note que os títulos prefixados longos embutem riscos maiores, em função de eventuais alterações do cenário econômico. Nesse sentido, apesar de eventuais ganhos em relação ao principal, o investidor está sujeito a perdas em relação aos custos de oportunidade (comparando-se seu investimento as demais alternativas).

Exemplo Hipotético
Cenário I
Prazo até o Vencimento 2 anos (504 d.u.)
Prazo até o vencimento
Taxa de Compra (% a.a.)
Taxa de Venda(% a.a.)
Preço de Compra (R$)
Preço de Resgate (R$)
Rentabilidade Efetiva ao dia (%)
Rentabilidade Efetiva em 504 d.u. (%)
504 d.u.
13,50
--
776,26
1.000,00
0,0503
28,82
Cenário II
Operação de Venda após 75 d.u.
Prazo até o vencimento
Taxa de Compra (% a.a.)
Taxa de Venda(% a.a.)
Preço de Compra (R$)
Preço de Venda (R$)
Rentabilidade Efetiva ao dia (%)
Rentabilidade Efetiva em 75 d.u. (%)
429 d.u.
13,50
10,06
776,26
849,44
0,1202
9,43
Cenário III
Operação de Venda após 276 d.u.
Prazo até o vencimento
Taxa de Compra (% a.a.)
Taxa de Venda(% a.a.)
Preço de Compra (R$)
Preço de Venda (R$)
Rentabilidade Efetiva ao dia (%)
Rentabilidade Efetiva em 276 d.u. (%)
228 d.u.
13,50
20,00
776,26
847,93
0,0320
9,23

Fonte: www.comoinvestir.com.br

Últimas Notícias

Após subir mais de 10% na semana, é hora de comprar ou vender CESP6?

10/01/2011 14:55
Por: Heloisa Ferraz Finocchiaro 10/01/11 - 11h40 InfoMoney SÃO PAULO - As ações da Cesp (CESP6) encerram a primeira semana de 2011 com alta acumulada de 10,37%, a maior variação positiva dentre os papéis que fazem parte da carteira teórica...

BR Malls vende participação em shopping para a Iguatemi

04/01/2011 13:45
Venda de 3,41% do Esplanada Shopping foi fechada por 11,8 milhões de reais Beatriz Olivon, de EXAME.com    Comentários (0) Divulgação Esplanada Shopping: após operação, participação da Iguatemi no empreendimento será de 33,14% São Paulo – A BR Malls vendeu sua participação total...

A jogada da Tectoy para continuar no mercado

03/01/2011 10:53
Companhia de jogos eletrônicos passará a fabricar no país produtos de empresas estrangeiras Marcio Orsolini, de EXAME.com Divulgação Console da Tectoy: avanço dos concorrentes tirou a empresa desse jogo São Paulo - Nos anos 90, a Tectoy se destacava no mercado brasileiro de videogames com...

Nova empresa da ALL quer 12% do mercado de contêiner em 5 anos

21/12/2010 16:13
Executivos da empresa esperam que a Brado Logística apresente Ebitda entre 20% e 40% Alberto Alerigi Jr., da Divulgação/EXAME.com ALL: Em maio, o ex-presidente da empresa, Bernardo Hees, havia revelado planos da ALL para ingressar no segmento de contêineres São Paulo - A Brado Logística,...

Positivo terá fábrica na Argentina

06/12/2010 12:52
Empresa vai investir 8 milhões de dólares. Início da operação está previsto para fevereiro de 2011 Beatriz Olivon , de EXAME.com   Marcelo Almeida/EXAME.com Positivo: os produtos serão fabricados e comercializados com uma marca que será composta pela junção dos nomes das empresas São...

BR Malls compra 49,99% do Shopping Tijuca por R$425 mi

22/11/2010 18:04
Com a compra do complexo, a BR Malls terá 9 shoppings na cidade do Rio de Janeiro Alberto Alerigi Jr., da   Fernando Lemos/Veja Rio Shopping Tijuca, no Rio de Janeiro: BR Malls agora tem 24 empreendimentos no Sudeste São Paulo - A BR Malls, maior empresa de shopping centers do...

Sem Panamericano, Grupo Silvio Santos teria prejuízo

18/11/2010 15:54
Entre 2006 e 2009, o banco lucrou R$ 716,7 milhões, enquanto o grupo como um todo apresentou ganho de R$ 678 milhões   Samir Baptista/Divulgação Silvio Santos, controlador do banco Panamericano: financeira era seu melhor investimento São Paulo - Entre 2006 e 2009, o Banco...

Panamericano pode ser vendido ao BMG, diz Estadão

16/11/2010 18:12
Banco estaria interessado em comprar 100% do capital do Panamericano Marcio Orsolini, de EXAME.com   Divulgação São Paulo - O Panamericano pode ser vendido para o BMG, banco médio com força no segmento de crédito consignado. A informação é da coluna Direto da Fonte, do jornal O...

Aporte ao Panamericano, de Silvio Santos, ganha destaque na imprensa estrangeira

10/11/2010 11:34
Wall Street Journal e a revista Business Week trazem em seus sites reportagens sobre a repercussão do aporte de 2,5 bilhões de reais Diogo Max, de EXAME.com     Luciana Prezia/CONTIGO! Imprensa estrangeira dá destaque ao aporte no Panamericano, de Silvio...

TIM tem lucro de R$124,7 mi no 3o trimestre e Ebitda cresce

29/10/2010 14:19
Lucro líquido da TIM no terceiro trimestre caiu em relação a igual período do ano passado Rodolfo Barbosa, da Lia Lubambo/EXAME Loja da TIM em São Paulo: lucro líquido caiu São Paulo - A TIM Participações informou nesta sexta-feira que seu lucro líquido no terceiro trimestre caiu em...
<< 56 | 57 | 58 | 59 | 60 >>