Após Bernanke, Fed pode ser comandado por uma mulher

26/07/2013 12:10

Janet Yellen é membro da autoridade monetária e vem trabalhando junto com o atual líder do banco central norte-americano na formulação das políticas de relaxamento monetário durante os últimos três anos

O presidente do banco central americano, Ben Bernanke

Programa do Fed, comando por Ben Bernanke, pode angariar até US$ 700 bi (Jonathan Ernst/Reuters)

A disputa pelo posto de próximo presidente do Federal Reserve parece cada vez mais concentrada entre dois economistas: Lawrence Summers e Janet Yellen - a primeira mulher a ser cotada para a vaga.

Summers é integrante do governo do presidente dos EUA, Barack Obama, desde a crise financeira de 2009 e mantém contato próximo com o presidente e com seus principais consultores econômicos. Como ele é conhecido dentro da Casa Branca, Obama pode se sentir confortável para escolhê-lo.

Janet, por sua vez, é membro do Fed e vem trabalhando junto com o atual líder do banco central norte-americano, Ben Bernanke, na formulação das políticas de relaxamento monetário durante os últimos três anos. Essa familiaridade com o Fed pode contar a seu favor.

Há alguns meses os observadores enxergam Janet como a favorita para suceder Bernanke quando o mandato dele terminar, em janeiro. Mas nas últimas semanas tem se tornando claro, com base nos comentários de atuais e ex-autoridades do governo de Obama, que na Casa Branca Summers é visto como um concorrente sério.

Tanto Janet quanto Summers são da geração chamada de "baby boomer" - de americanos nascidos logo após a Segunda Guerra Mundial. Summers é graduado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, e Janet se formou na Universidade de Yale, com tendências políticas liberais.

Ambos trabalharam no governo de Bill Clinton, quando a economia norte-americana estava com força total e os EUA estavam em ascendência. Ambos também são conhecidos por opiniões firmes, que não têm vergonha de defender, e provavelmente dariam mais força aos esforços para reduzir a alta taxa de desemprego em um ambiente de inflação baixa.

Além disso, os dois candidatos possuem pontos em seus históricos que podem gerar questionamentos nas audiências de confirmação para o cargo. Summers foi defensor da desregulamentação financeira antes da crise de 2008-2009 e foi retirado do cargo de presidente de Harvard em 2006 após fazer comentários controversos sobre mulheres. Já Yellen é uma forte defensora das políticas de relaxamento monetário do Fed, o que levanta dúvidas em Washington e nos mercados financeiros sobre sua disposição de combater a inflação quando o momento chegar.

É possível que outro candidato ao cargo de Bernanke entre para a lista de Obama. Entre os nomes mencionados estão o ex-secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner. 

(Com Estadão Conteúdo)