BicBanco nega a existência de contrato de venda

23/09/2013 22:54

Rumores de venda da instituição fizeram com que diretores se pronunciassem

Agência do BicBanco no centro do Rio de Janeiro

Rumores: Banco Central está dentro do banco há dois meses (Wânia Corredo/Agência O Globo)

Os acionistas controladores do Banco Industrial e Comercial (BicBanco) informaram, por meio de comunicado, que não há nenhum contrato celebrado com terceiros para a alienação do controle da instituição. A informação é uma resposta aos rumores que surgiram recentemente de que o banco poderia ser vendido. O documento é assinado por Milto Bardini, diretor de Relações com Investidores do BicBanco.

No ano passado, a instituição chegou perto de adquirir a unidade brasileira do alemão West LB, que acabou sendo comprado pelo japonês Mizuho. Na última sexta-feira, reportagem publicada pela Agência Estado trouxe informações de fontes de mercado sobre o interesse de um banco chinês, o China Construction Bank (CCB), e também de instituições brasileiras (BTG Pactual, Bradesco e Itaú Unibanco) na aquisição do BicBanco. 

Segundo a matéria, o BicBanco teria aberto seus números para possíveis interessados e, conforme executivos, é natural que várias instituições avaliem os dados, mesmo que não haja a intenção de realizar a aquisição.

Comentou-se ainda que o próprio Banco Central estaria sugerindo a compra do BicBanco e que estava na instituição há cerca de dois meses. O BC informou, via assessoria de imprensa, que não está convidando quem quer que seja para olhar os números do BicBanco e negou que esteja há dois meses ajudando na gestão da instituição.

Contudo, o órgão regulador destacou que estar em uma instituição financeira é parte do seu trabalho. "Há instituições financeiras que pelo porte/risco o Banco Central está permanentemente", disse, e acrescentou que a supervisão do sistema bancário inclui monitoramento contínuo e inspeções modulares com base em risco e ações planejadas e que não comenta ações específicas.

Procurado, o BicBanco disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que não comentaria o que classificou de rumores. BTG Pactual, Bradesco e Itaú Unibanco também não comentaram.

Cenário - No primeiro semestre, o BicBanco fez ajustes que resultaram na demissão de mais de 160 funcionários - agora são 772 colaboradores - e fechamento de cinco pontos de atendimento.

Paralelo a este processo, o banco informou, no início de setembro, que foi multado pelo BC em junho do ano passado em 200 mil reais, alegando que a gestão da carteira de crédito da instituição estaria em desacordo com as práticas de boa gestão e segurança operacional, além de não ter implementado medidas apropriadas para garantir o bom funcionamento dos seus sistemas de controles internos.

Em julho, os bônus do BicBanco operaram sob forte pressão após a agência de classificação de risco Moody's colocar em revisão para possível rebaixamento os ratings e, nos últimos dias, com rumores de que o Banco Central estaria conduzindo uma auditoria na instituição. Em 8 de agosto, a instituição anunciou a recompra de parte dos bônus subordinados com vencimento em 2020 e conseguiu retirar esses títulos das mínimas em que vinham operando, apesar de já estarem recomprando os bônus seniores, com vencimento em 2015.

(com Estadão Conteúdo)

Últimas Notícias

Hypermarcas formaliza compra da York por R$95 milhões

17/09/2010 16:45
A companhia passará a deter pouco mais de 99 por cento do capital da York, fabricante e distribuidora de hastes flexíveis, curativos, absorventes e algodões Exame/Arquivo Hypermarcas pagou 95 milhões de reais pela York São Paulo - A Hypermarcas formalizou na...

JBS Friboi pode desistir de associação na Itália

17/09/2010 16:41
JBS revelou agravamento das relações com grupo italiano Cremonini e afirmou que não há mais condições de manter a sociedade   Arquivo Gado do JBS: joint venture com italianos será rompida São Paulo - O presidente do conselho de administração da Inalca JBS, Marco...

Sinopec e CNOOC podem fazer oferta de US$7 bilhões pela OGX

11/09/2010 14:38
Empresa de Eike Batista pode vender participações em blocos petrolíferos após descobertas de hidrocarbonetos Reuters  HONG KONG - A chinesas Sinopec Group e CNOOC estão fazendo ofertas por participações em ativos detidos pela OGX, empresa petrolífera iniciante do empresário...
<< 56 | 57 | 58 | 59 | 60