Brasil Ecodiesel analisa incorporação da Vanguarda

15/06/2011 14:00

Comitê terá 90 dias para encaminhar análise ao conselho de administração

Divulgação

Brasil Ecodiesel Laboratório

Brasil Ecodiesel: quando a operação com a Vanguarda foi recusada, em maio, o conselho da empresa afirmou que ela ainda precisava concluir sua fusão com o grupo Maeda

São Paulo – O conselho de administração da Brasil Ecodiesel decidiu constituir um comitê interno para analisar a proposta de incorporação das ações de emissão da Vanguarda. A proposta de fusão foi feita pelo grupo Vanguarda em abril – e recusada pela Brasil Ecodiesel em maio.


O comitê interno terá até 90 dias, contados a partir de ontem (14/6) para analisar a operação e submetê-la à apreciação do conselho de administração. Se, após a análise do comitê, o conselho aprovar a operação, ele deverá convocar uma assembleia geral extraordinária.  

Esse comitê será formado por três membros, integrantes da diretoria executiva da empresa: José Carlos Aguilera, diretor presidente; Eduardo de Come, diretor executivo e de relações com investidores, e Guilherme Augusto D’Avila Mello Raposo, diretor executivo. Os membros do comitê podem contratar assessores externos para auxiliá-los na avaliação da proposta.

Quando a operação foi recusada, em maio, o conselho da Brasil Ecodiesel afirmou que a empresa precisava, primeiro, concluir sua fusão com o grupo Maeda. Caso a proposta seja aceita, as duas empresas formarão o maior grupo de agronegócio do Brasil, com valor avaliado em mais de 2,16 bilhões de reais.

As duas empresas contam com a participação da Veremonte, que representa os interesses do bilionário espanhol Enrique Bañuelos. A Veremonte é o maior acionista individual da Brasil Ecodiesel, com 22% da empresa, e possui 50% da Vanguarda.