Brasil vai ser 5ª economia do mundo antes de 2015, diz Mantega

24/07/2013 17:17

Ministro da Fazenda destacou que a velocidade de crescimento do País é o dobro da registrada na Europa e disse esperar melhora nas condições econômicas do Brasil em 2012

27 de dezembro de 2011 | 13h 11

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado

SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira, 27, que em menos de quatro anos o Brasil será a quinta maior economia do mundo, em termos de Produto Interno Bruto (PIB), superando a França. "O FMI prevê que o Brasil será a quinta economia em 2015, mas acredito que isso ocorrerá antes", disse.

O ministro ponderou, no entanto, que ainda é preciso melhorar o padrão de vida da população para que fique perto do que é registrado pelos países mais ricos do mundo - Ueslei Marcelino/ReutersUeslei Marcelino/Reuters

O ministro ponderou, no entanto, que ainda é preciso melhorar o padrão de vida da população para que fique perto do que é registrado pelos países mais ricos do mundo

Mantega ressaltou que a velocidade de crescimento do Brasil é o dobro da registrada pelos países europeus. "Portanto, é inexorável que nós passemos a França e no futuro, quem sabe, a Alemanha, se ela não tiver um desempenho melhor", disse. O ministro reafirmou que de 2003 a 2010, o crescimento do País ficou ao redor de 4% e que, em 2012, esse patamar será retomado, pois estima que o PIB deve avançar de 4% a 5%.

 

Ontem, o jornal britânico The Guardian, citando um estudo do Centro de Pesquisa para Economia e Negócios (CEBR, em inglês), indicou que o País já é a sexta economia global, à frente do Reino Unido.

 

O ministro ressaltou que o Brasil está no caminho certo, pois tem um alto nível de geração de emprego, inflação sob controle, "está na vanguarda do crescimento" e deve apresentar condições econômicas melhores em 2012 do que neste ano. "O importante é que estaremos crescendo mais em 2012 do que em 2011", comentou. "O câmbio estará melhor e o crédito estará mais barato".

 

Questionado pela Agência Estado se os juros também estarão menores, Mantega afirmou que haverá redução do custo financeiro das operações relacionadas aos consumidores, mas não se manifestou sobre a Selic, atualmente em 11% ao ano. Na última quinta-feira, o diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton Vasconcelos, afirmou que "se for necessário, vai haver aumento da taxa de juro. Não sei quando", referindo-se à eventualidade de o nível de atividade ficar muito aquecido e, em algum momento do futuro, aumentar bastante as pressões sobre a inflação.

 

O ministro da Fazenda, contudo, foi realista e manifestou que a renda per capita do Brasil precisa avançar para que o padrão de vida da população melhore e fique perto do que é registrado pelos países mais ricos do mundo. "Mas já estamos melhorando bem", comentou.

Texto atualizado às 16h41

Últimas Notícias

Hypermarcas formaliza compra da York por R$95 milhões

17/09/2010 16:45
A companhia passará a deter pouco mais de 99 por cento do capital da York, fabricante e distribuidora de hastes flexíveis, curativos, absorventes e algodões Exame/Arquivo Hypermarcas pagou 95 milhões de reais pela York São Paulo - A Hypermarcas formalizou na...

JBS Friboi pode desistir de associação na Itália

17/09/2010 16:41
JBS revelou agravamento das relações com grupo italiano Cremonini e afirmou que não há mais condições de manter a sociedade   Arquivo Gado do JBS: joint venture com italianos será rompida São Paulo - O presidente do conselho de administração da Inalca JBS, Marco...

Sinopec e CNOOC podem fazer oferta de US$7 bilhões pela OGX

11/09/2010 14:38
Empresa de Eike Batista pode vender participações em blocos petrolíferos após descobertas de hidrocarbonetos Reuters  HONG KONG - A chinesas Sinopec Group e CNOOC estão fazendo ofertas por participações em ativos detidos pela OGX, empresa petrolífera iniciante do empresário...
<< 56 | 57 | 58 | 59 | 60