BRF muda discurso e abre leque de negociação no Cade

10/06/2011 14:17

Processo tornou-se muito desfavorável para a empresa depois que o conselheiro Carlos Ragazzo, relator do caso, reprovou a fusão na última quarta-feira


EXAME

Brasil Foods

O presidente da BRF diz que vai participar do corpo a corpo com os conselheiros, até agora entregue aos advogados e executivos da empresa

São Paulo - O presidente da Brasil Foods (BRF), José Antônio do Prado Fay, corre contra o tempo. Ele tem cerca de 50 dias para virar o jogo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e aprovar a união da Sadia com a Perdigão, que deu origem à BRF. O processo, que se arrasta há dois anos, tornou-se muito desfavorável para a empresa depois que o conselheiro Carlos Ragazzo, relator do caso, reprovou a fusão na última quarta-feira.


Fay afirma que vai trabalhar para mudar a imagem de inflexível que pode ter deixado no órgão antitruste e está "aberto à negociação" para chegar a um acordo com o Cade. É uma mudança e tanto no discurso do executivo. Até o baque com o voto de Ragazzo, ele não admitia nem conversar sobre a hipótese de vender as marcas Sadia ou Perdigão. Ontem, ao ouvir a pergunta novamente, não disse sim nem não - desconversou. "Não estou afirmando que descarto ou não descarto. O que estou dizendo é: eu não quero", afirmou.

O presidente da BRF diz que vai participar do corpo a corpo com os conselheiros, até agora entregue aos advogados e executivos da empresa. O julgamento foi interrompido na quarta-feira depois que o conselheiro Ricardo Ruiz pediu vista do processo, mas deve ser retomado em breve. O trabalho de convencimento começa segunda-feira, com encontro com o próprio Ruiz.

Fay acha que precisa explicar melhor ao Cade o dia a dia do negócio, na tentativa de fugir da discussão em torno de modelos matemáticos usados para inferir cenários de aumento de preços e concentração de mercado. "Não quero mais esse diálogo econometrista. Estou falando o ponto de vista de alguém que trabalha no setor há 30 anos".

O relator afirmou, por exemplo, que a concentração de mercado liberaria a empresa para esfolar a clientela, com aumentos de até 40% nos preços de alguns produtos. Fay precisa convencer os colegas de Ragazzo que o perigo não existe. “Aumento de 40% não existe. Se fizer isso, o consumidor não compra mais meu produto. Nem a Petrobras, que é monopolista, consegue impor uma coisa dessas.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Últimas Notícias

Os 10 maiores bilionários brasileiros de 2019, segundo a Forbes

25/09/2019 17:40
A lista da Forbes conta com um número recorde de bilionários este ano: são 206 no país, 26 a mais que no ano anterior Por Karin Salomão access_time25 set 2019, 16h00 O empresário Jorge Paulo Lemann, sócio do 3G Capital, quase perdeu o posto do homem mais rico do Brasil, que ocupa há sete...

Natura confirma negociação para compra da Avon via troca de ações

22/05/2019 17:13
Empresa ponderou que não há como garantir que vai concluir de fato a transação Avon: Natura confirmou a informações de que está negociando a compra da rival norte-americana (Brendan McDermid/Reuters) São Paulo – A Natura confirmou nesta quarta-feira informações da imprensa de que...

Bolsa sobe com negociação EUA-China e reforma da Previdência

09/01/2019 11:41
Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 por cento, a 92.148,68 pontos Por Reuters Bovespa: bolsa sobe (Paulo Whitaker/Reuters) São Paulo – A bolsa paulista começava a quarta-feira com o Ibovespa em alta, alinhada ao tom positivo no exterior, em meio a expectativas de que Estados...

J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading

22/01/2018 18:51
J&F discute repactuar leniência e pode confessar insider trading Leniência do grupo, fechada no final de maio do ano passado, prevê o pagamento de uma multa recorde no valor de 10,3 bilhões de reais durante 25 anos. J&F: acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos...

Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC

30/11/2017 16:31
Caixa mais que dobra lucro no 3º tri, para R$ 2,17 bi, diz BC As despesas da Caixa com pessoal somaram R$ 5,59 bi entre julho e setembro, número praticamente em linha com o mesmo período do ano passado Por Aluisio Alves, da Reuters Caixa: a soma das receitas com tarifas e...

Excesso de liquidez pressiona grandes bancos brasileiros

30/11/2017 15:57
Os maiores bancos do Brasil têm tantos ativos de alta liquidez que estão tentando se livrar deles. Por Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg Pessoas passam por agência do Banco do Brasil, no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters) Os maiores Bancos do...

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26
Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da...

Gávea Investimentos negocia venda de fatia na Azul, dizem fontes

08/12/2016 10:57
Segundo fontes, a Gávea quer vender sua participação na Azul e os atuais acionistas devem comprar a fatia Por Fabiola Moura e Jessica Brice, da Bloomberg     Azul: participação da Gávea na empresa foi avaliada em R$ 212,5 milhões (Getty Images) A gestora de ativos brasileira Gávea...

Gol tem queda de 6,7% na oferta doméstica.

12/08/2016 10:57
  São Paulo - A Gol registrou queda de 6,7% na oferta doméstica em julho em comparação com o mesmo mês de 2015. A companhia justificou em comunicado que o dado "seguiu a tendência de adequação". Houve retração também no acumulado do ano até julho, de 6,4% comparativamente a...

Kroton aumenta oferta pela Estácio e se aproxima de fusão

02/07/2016 16:18
Ricardo Moraes/Reuters Estácio: se concretizado, o negócio com a Kroton é avaliado em R$ 5,5 bilhões Cátia Luz, do Estadão Conteúdo Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo Gabriela Melo e Márcio Rodrigues, do Estadão Conteúdo São Paulo - Líder do ensino superior privado do...
1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>