Cosan quer se firmar nas áreas de infraestrutura e energia

27/11/2012 10:39

 

Vice-presidente financeiro afirmou que, mesmo com o crescimento de outras áreas, a rentabilidade do etanol vem aumentando

 
DIVULGACAOEmbarque de açúcar da Cosan

Embarque de açúcar da Cosan: declínio da participação do segmento de açúcar e etanol na empresa ocorre desde 2008

 

São Paulo - A participação do segmento de açúcar e etanol está perdendo espaço na geração de caixa operacional da Cosan, uma vez que a empresa busca cada vez mais se firmar no mercado como uma empresa de infraestrutura e energia, disse Marcelo Martins, vice-presidente financeiro e diretor de Relações com Investidores, nesta segunda-feira.

Em apresentação a analistas, durante o Cosan Day, realizado em São Paulo, ele mostrou que a representatividade do segmento no período anualizado até março de 2013 é projetada em 31 por cento do total do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

"E isso não está acontecendo porque o (segmento) açúcar/etanol está diminuindo, mas porque as outras áreas estão crescendo", disse Martins a jornalistas, acrescentando que os investimentos em infraestrutura, com a Rumo Logística, e a aquisição da Comgás, entre outras medidas, vêm contribuindo para isso.

"E mesmo assim, durante todo este tempo, a rentabilidade (do açúcar/etanol) continuou crescendo também", acrescentou.

A redução da participação do açúcar/etanol vem ocorrendo continuamente desde 2008, quando ainda representava 100 por cento no Ebitda da Cosan. Este percentual recuou para 88 por cento no ano seguinte até chegar a 47 por cento em 2012.

Segundo o executivo, a estratégia de ampliar o portfólio é uma saída para a companhia manter uma geração de caixa mais estável e previsível, menos dependente de preços de commodities.

"Diversificar o portfólio tem permitido melhorar a geração de caixa", ponderou Martins. 

O presidente da Cosan, Marcos Lutz, disse aos analistas que vê forte crescimento em infraestrutura e energia nos próximos cinco anos, favorecendo a estratégia da companhia de ampliar seu portfólio. 

A Rumo, com apenas três anos, tem mostrado aumento significativo em volume de receita. 

  O presidente da Raízen (joint venture da Cosan com a Shell), Vasco Dias, disse que o crescimento da companhia nos próximos anos será com a expansão das usinas já existentes. 

Segundo ele, a meta é atingir a capacidade de 80 milhões de toneladas de moagem de cana até o ciclo 2016/17. 

Atualmente, a capacidade de moagem de cana da companhia é de 65 milhões de toneladas.

 

Últimas Notícias

Ethiopian Airlines considera comprar aviões da Embraer

23/11/2015 23:30
©afp.com / Jenny Vaughan Ethiopian Airlines: empresa planeja quase que sobrar sua frota até 2025 Da REUTERS Montreal - A Ethiopian Airlines, maior companhia aérea da África, quer comprar 10 aviões de fuselagem estreita e está considerando jatos da brasileira Embraer e da...

Governo prepara capital bilionário para a Petrobras

20/11/2015 13:43
Paulo Whitaker/Reuters Reforço de capital: o aporte será via IHCD, uma operação que funciona como um contrato de crédito praticamente sem data de vencimento Adriana Fernandes e Mônica Ciarelli, do Estadão Conteúdo Brasília e Rio - O governo estuda um reforço bilionário na...

Petrobras negocia financiamentos de US$1,84 bi com agências

16/11/2015 21:48
REUTERS/Sergio Moraes Sede da Petrobras no Rio: a Petrobras afirmou que as operações estão em linha com sua estratégia de diversificação de fontes de financiamento Da REUTERS Rio de Janeiro - A Petrobras está concluindo negociações com agências de crédito internacionais em...

Cemig lucra R$ 166,954 milhões no 3º trimestre

14/11/2015 12:17
Arquivo Cemig: no acumulado de janeiro a setembro o lucro da companhia atingiu R$ 2,185 bilhões, alta de 8,21% sobre igual intervalo de 2014 André Magnabosco, do Estadão Conteúdo São Paulo - A estatal mineira Cemig acumulou lucro líquido de R$ 166,954 milhões no terceiro...

Prejuízo da Rossi diminui 35% no 3º trimestre

10/11/2015 21:07
Divulgação Rossi Residencial: receita líquida alcançou R$ 259,4 milhões, queda de 37,4% na comparação anual Fátima Laranjeira, do Estadão Conteúdo A Rossi Residencial registrou prejuízo líquido de R$ 171,1 milhões no terceiro trimestre de 2015, valor 35% menor do que as perdas de...

Valor de ativos à venda no Brasil chega a R$ 150 bilhões

08/11/2015 19:57
Ueslei Marcelino/Reuters Só a Petrobras quer levantar US$ 15,1 bilhões em 2015 e 2016 com a venda de ativos Naiana Oscar e Mônica Scaramuzzo, do Estadão Conteúdo São Paulo - O Brasil tem, neste momento, cerca de R$ 150 bilhões em ativos à venda, segundo cálculos feitos por bancos...

Lucro da Tractebel cai 35% no 3° tri para R$347,6 m

06/11/2015 19:01
Arquivo Tractebel Energia Tractebel: lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da companhia somou 771,7 milhões de reais no terceiro trimestre Da REUTERS São Paulo - A geradora Tractebel Energia reportou...

CCR tem queda de 28,6% no lucro do 3º trimestre

27/10/2015 21:29
Wikimedia Commons CCR: companhia obteve melhora no resultado operacional no período Da REUTERS São Paulo - A companhia de concessões de infraestrutura CCR teve queda de 28,6 por cento no lucro líquido do terceiro trimestre na comparação anual, a 247 milhões de reais, em resultado...

Assembleia de Deus vai lançar operadora de celular

30/09/2015 21:07
Getty Images Celular: a mais nova operadora virtual do país vai se chamar Mais AD e tem parceria com a Movtte Da REUTERS São Paulo - A Assembleia de Deus, que tem cerca de 18 milhões de fiéis no Brasil, vai lançar uma operadora de celular que utilizará capacidade de rede da...

BTG conclui compra de suíço BSI por US$1,29 bi, diz fonte

15/09/2015 19:44
Gustavo Kahil / Exame.com BTG Pactual: o grupo liderado por André Esteves anunciou nesta terça-feira ter pago 1,25 bilhão de francos suíços para selar a compra Aluísio Alves e Guillermo Parra-Bernal, da REUTERS São Paulo - O BTG Pactual concluiu a compra da gestora suíça de...
<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>