Cosan quer se firmar nas áreas de infraestrutura e energia

27/11/2012 10:39

 

Vice-presidente financeiro afirmou que, mesmo com o crescimento de outras áreas, a rentabilidade do etanol vem aumentando

 
DIVULGACAOEmbarque de açúcar da Cosan

Embarque de açúcar da Cosan: declínio da participação do segmento de açúcar e etanol na empresa ocorre desde 2008

 

São Paulo - A participação do segmento de açúcar e etanol está perdendo espaço na geração de caixa operacional da Cosan, uma vez que a empresa busca cada vez mais se firmar no mercado como uma empresa de infraestrutura e energia, disse Marcelo Martins, vice-presidente financeiro e diretor de Relações com Investidores, nesta segunda-feira.

Em apresentação a analistas, durante o Cosan Day, realizado em São Paulo, ele mostrou que a representatividade do segmento no período anualizado até março de 2013 é projetada em 31 por cento do total do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

"E isso não está acontecendo porque o (segmento) açúcar/etanol está diminuindo, mas porque as outras áreas estão crescendo", disse Martins a jornalistas, acrescentando que os investimentos em infraestrutura, com a Rumo Logística, e a aquisição da Comgás, entre outras medidas, vêm contribuindo para isso.

"E mesmo assim, durante todo este tempo, a rentabilidade (do açúcar/etanol) continuou crescendo também", acrescentou.

A redução da participação do açúcar/etanol vem ocorrendo continuamente desde 2008, quando ainda representava 100 por cento no Ebitda da Cosan. Este percentual recuou para 88 por cento no ano seguinte até chegar a 47 por cento em 2012.

Segundo o executivo, a estratégia de ampliar o portfólio é uma saída para a companhia manter uma geração de caixa mais estável e previsível, menos dependente de preços de commodities.

"Diversificar o portfólio tem permitido melhorar a geração de caixa", ponderou Martins. 

O presidente da Cosan, Marcos Lutz, disse aos analistas que vê forte crescimento em infraestrutura e energia nos próximos cinco anos, favorecendo a estratégia da companhia de ampliar seu portfólio. 

A Rumo, com apenas três anos, tem mostrado aumento significativo em volume de receita. 

  O presidente da Raízen (joint venture da Cosan com a Shell), Vasco Dias, disse que o crescimento da companhia nos próximos anos será com a expansão das usinas já existentes. 

Segundo ele, a meta é atingir a capacidade de 80 milhões de toneladas de moagem de cana até o ciclo 2016/17. 

Atualmente, a capacidade de moagem de cana da companhia é de 65 milhões de toneladas.

 

Últimas Notícias

Hypermarcas formaliza compra da York por R$95 milhões

17/09/2010 16:45
A companhia passará a deter pouco mais de 99 por cento do capital da York, fabricante e distribuidora de hastes flexíveis, curativos, absorventes e algodões Exame/Arquivo Hypermarcas pagou 95 milhões de reais pela York São Paulo - A Hypermarcas formalizou na...

JBS Friboi pode desistir de associação na Itália

17/09/2010 16:41
JBS revelou agravamento das relações com grupo italiano Cremonini e afirmou que não há mais condições de manter a sociedade   Arquivo Gado do JBS: joint venture com italianos será rompida São Paulo - O presidente do conselho de administração da Inalca JBS, Marco...

Sinopec e CNOOC podem fazer oferta de US$7 bilhões pela OGX

11/09/2010 14:38
Empresa de Eike Batista pode vender participações em blocos petrolíferos após descobertas de hidrocarbonetos Reuters  HONG KONG - A chinesas Sinopec Group e CNOOC estão fazendo ofertas por participações em ativos detidos pela OGX, empresa petrolífera iniciante do empresário...
<< 56 | 57 | 58 | 59 | 60