Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos

Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg

Portão de entrada de unidade da JBS em Jundiaí (SP). 01/06/2017

 

JBS: no fim de 2016, Wesley e Joesley Batista ainda não haviam pago pelo negócio, o que ampliou suas dívidas pessoais para R$ 1,3 bilhão por irmão (Paulo Whitaker/Reuters)

São Paulo – Em meio à escalada das investigações sobre irregularidades envolvendo a JBS e seus controladores, no ano passado, os irmãos Joesley Wesley Batista assumiram sem alarde a propriedade integral da holding da família, ampliando suas dívidas pessoais combinadas para R$ 2,6 bilhões (US$ 790 milhões).

Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos, uma empresa de capital fechado que detém o controle da JBS e das outras empresas da família, pagando apenas um quinto do valor de mercado de suas participações indiretas na JBS, segundo as declarações de imposto de renda de Wesley e Joesley Bastista de 2017, que integram os documentos divulgados no âmbito do acordo de delação premiada assinado em maio.

Os irmãos fecharam ainda um acordo semelhante, por valor do de mercado, com os controladores da Blessed Holdings, empresa que aparecia entre os acionistas controladores da JBS desde 2009 e cuja identidade dos antigos proprietários é investigada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

As declarações de imposto mostram que os irmãos haviam assumido o controle pleno da J&F em dezembro.

Wesley e Joesley Batista declararam ter adquirido, junto às firmas de investimento de suas irmãs Valére, Vanessa e Vivianne, participações idênticas de aproximadamente 20 por cento na J&F por um valor declarado de R$ 591 milhões cada, totalizando R$ 1,18 bilhão.

A aquisição incluiu uma participação indireta combinada na JBS de 18 por cento, fatia avaliada em R$ 5,6 bilhões com base no preço médio das ações do frigorífico em dezembro.

No fim de 2016, Wesley e Joesley Batista ainda não haviam pago pelo negócio, o que ampliou suas dívidas pessoais para R$ 1,3 bilhão por irmão, segundo as declarações de impostos.

A J&F e a JBS preferiram não comentar sobre a mudança e as condições das transações.

A família Batista, liderada por Joesley, de 45 anos, e Wesley, de 47, ganhou destaque internacional durante uma década de aquisições que somaram US$ 20 bilhões e transformaram seu matadouro familiar na maior produtora mundial de carnes.

No âmbito do acordo de delação premiada fechado em maio, os irmãos admitiram atos de corrupção e revelaram aos investigadores brasileiros que a ascensão meteórica da empresa não teria sido possível sem uma rede sombria de pagamentos de propinas a políticos e uma série de negócios com o BNDES.

As fraudes que eles descreveram, supostamente envolvendo o presidente da República entre mais de 1.800 políticos, são tão amplas que reconduziram o Brasil ao caos político um ano após o impeachment de Dilma Rousseff.

Não está claro por que a família decidiu trocar os ativos de mãos, e as condições financeiras das transações, incluindo o cronograma de pagamentos, não foram reveladas.

A informação sobre o aumento das dívidas pessoais dos irmãos Batista surge em meio ao temor crescente de que a J&F possa ter problemas de liquidez com a disparada dos custos dos empréstimos da empresa e as multas aplicadas pelo Ministério Público Federal à família e ao grupo empresarial.

Os dois irmãos fecharam acordo para pagar R$ 225 milhões em multas e a J&F pagará R$ 10,3 bilhões ao longo de 25 anos.

Últimas Notícias

Desafios da Petrobras ficam mais difíceis, diz Credit Suisse

11/09/2015 00:26
Dado Galdieri/Bloomberg Petrobras: de acordo com o banco, pesam sobre a companhia sua necessidade de financiamento de US$ 25 bilhões por ano Antonio Pita, do Estadão Conteúdo Rio - O cenário que já era delicado e preocupante para a Petrobras ficou ainda mais difícil após o...

Gerdau reajusta preços de aços longos, dizem fontes

08/09/2015 22:34
Paulo Fridman/Bloomberg News Gerdau: notificação do reajuste ocorreu entre o fim de agosto e o início deste mês Da REUTERS São Paulo - A Gerdau comunicou aos distribuidores de produtos siderúrgicos um aumento de cerca de 15 por cento nos preços de toda a sua linha de aços longos,...

Walmart vai parar de vender fuzis e outras armas nos EUA

26/08/2015 20:41
Joshua Lott/Files/Reuters Fuzil AR-15 em exposição Jonas Carvalho, de EXAME.com São Paulo – O Walmart informou hoje que vai parar de vender armas semiautomáticas em suas lojas nos Estados Unidos. O maior vendedor de armas e munições americano diz que a decisão é somente comercial e...

CCX obtém novo prazo para desenvolver concessão na Colômbia

28/07/2015 20:41
Divulgação CCX explora carvão na Colômbia: empresa declarou que o prazo para apresentação do plano foi prorrogado para setembro de 2017 Da REUTERS Rio de Janeiro - A mineradora CCX Colômbia informou nesta terça-feira que obteve permissão da Agencia Nacional de Mineria da Colômbia...

Santander reformula pacotes de conta corrente

21/07/2015 21:03
Getty Images Com a mudança, o cliente do Santander poderá escolher entre dois tipos de pacotes de serviços de conta corrente Aline Bronzati, do Estadão Conteúdo São Paulo - O Santander reformulou seus pacotes de conta corrente, lançados há dois anos, e vai permitir que a tarifa...

Com crescimento lento, empresas buscam fusões e aquisições

22/06/2015 21:24
Giuseppe Cacace/Getty Images Parmalat: compra da área de laticínios da BRF por R$ 1,8 bilhão foi uma das transações feitas no Brasil este ano Luísa Melo, de EXAME.com São Paulo - Em tempos de crise e queda no consumo, como agora, crescer organicamente é uma tarefa...

Marfrig dispara após venda bilionária para dona da Friboi

22/06/2015 15:20
                  O negócio segue a estratégia da JBS de crescer em alimentos processados São Paulo - As ações ordinárias da Marfrig lideravam a alta do Ibovespa nesta...

Crise não preocupa no longo prazo, diz presidente da Ambev

02/06/2015 20:44
Germano Lüders / EXAME Fábrica da Ambev: previsão é gastar R$ 3 bilhões neste ano, no mesmo patamar de 2014. Fernanda Nunes, do Estadão Conteúdo Rio de Janeiro - A crise econômica no Brasil não deve afetar os negócios da cervejaria Ambev neste ano, afirmou nesta...

Citi descarta comprar HSBC e vender Elavon no Brasil

27/05/2015 23:38
Mario Tama/Getty Images Prédio Citigroup Center: o banco está poupando dinheiro, pois prevê que os índices de inadimplência do setor bancário no país devem crescer nos próximos trimestres Da REUTERS São Paulo - O Citi já tomou as decisões importantes em termos de alienação de...

Com aumento de impostos, bancos têm semana trágica na Bolsa

25/05/2015 11:45
  RecomendeCompartilhar no TwitterCompartilhar no Google+Compartilhar no LinkedIn 1.148 views0 Salvar notícia Getty Images São Paulo - A expectativa de que o governo aumentaria os impostos das instituições financeiras impactaram as ações...
<< 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >>