Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

05/07/2017 18:26

Dívida de irmãos Batista dispara com negócio familiar

Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos

Por Gerson Freitas Jr., Cristiane Lucchesi e Felipe Marques, da Bloomberg

Portão de entrada de unidade da JBS em Jundiaí (SP). 01/06/2017

 

JBS: no fim de 2016, Wesley e Joesley Batista ainda não haviam pago pelo negócio, o que ampliou suas dívidas pessoais para R$ 1,3 bilhão por irmão (Paulo Whitaker/Reuters)

São Paulo – Em meio à escalada das investigações sobre irregularidades envolvendo a JBS e seus controladores, no ano passado, os irmãos Joesley Wesley Batista assumiram sem alarde a propriedade integral da holding da família, ampliando suas dívidas pessoais combinadas para R$ 2,6 bilhões (US$ 790 milhões).

Os irmãos que estão no epicentro do mais recente escândalo de corrupção do Brasil compraram as participações de suas três irmãs na J&F Investimentos, uma empresa de capital fechado que detém o controle da JBS e das outras empresas da família, pagando apenas um quinto do valor de mercado de suas participações indiretas na JBS, segundo as declarações de imposto de renda de Wesley e Joesley Bastista de 2017, que integram os documentos divulgados no âmbito do acordo de delação premiada assinado em maio.

Os irmãos fecharam ainda um acordo semelhante, por valor do de mercado, com os controladores da Blessed Holdings, empresa que aparecia entre os acionistas controladores da JBS desde 2009 e cuja identidade dos antigos proprietários é investigada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

As declarações de imposto mostram que os irmãos haviam assumido o controle pleno da J&F em dezembro.

Wesley e Joesley Batista declararam ter adquirido, junto às firmas de investimento de suas irmãs Valére, Vanessa e Vivianne, participações idênticas de aproximadamente 20 por cento na J&F por um valor declarado de R$ 591 milhões cada, totalizando R$ 1,18 bilhão.

A aquisição incluiu uma participação indireta combinada na JBS de 18 por cento, fatia avaliada em R$ 5,6 bilhões com base no preço médio das ações do frigorífico em dezembro.

No fim de 2016, Wesley e Joesley Batista ainda não haviam pago pelo negócio, o que ampliou suas dívidas pessoais para R$ 1,3 bilhão por irmão, segundo as declarações de impostos.

A J&F e a JBS preferiram não comentar sobre a mudança e as condições das transações.

A família Batista, liderada por Joesley, de 45 anos, e Wesley, de 47, ganhou destaque internacional durante uma década de aquisições que somaram US$ 20 bilhões e transformaram seu matadouro familiar na maior produtora mundial de carnes.

No âmbito do acordo de delação premiada fechado em maio, os irmãos admitiram atos de corrupção e revelaram aos investigadores brasileiros que a ascensão meteórica da empresa não teria sido possível sem uma rede sombria de pagamentos de propinas a políticos e uma série de negócios com o BNDES.

As fraudes que eles descreveram, supostamente envolvendo o presidente da República entre mais de 1.800 políticos, são tão amplas que reconduziram o Brasil ao caos político um ano após o impeachment de Dilma Rousseff.

Não está claro por que a família decidiu trocar os ativos de mãos, e as condições financeiras das transações, incluindo o cronograma de pagamentos, não foram reveladas.

A informação sobre o aumento das dívidas pessoais dos irmãos Batista surge em meio ao temor crescente de que a J&F possa ter problemas de liquidez com a disparada dos custos dos empréstimos da empresa e as multas aplicadas pelo Ministério Público Federal à família e ao grupo empresarial.

Os dois irmãos fecharam acordo para pagar R$ 225 milhões em multas e a J&F pagará R$ 10,3 bilhões ao longo de 25 anos.

Últimas Notícias

Petrobras cria precedente perigoso ao não pagar dividendo

19/05/2015 21:23
Paulo Whitaker/Reuters Logo da Petrobras em frente prédio da companhia: a Petrobras informou que não pagaria dividendos para preservar o caixa Paula Arend Laier, da REUTERS São Paulo - O não pagamento de dividendos pela Petrobras aos acionistas preferencialistas pode...

Lula abriu Cuba às empresas brasileiras, diz Odebrecht

05/05/2015 21:32
Adalberto Roque/AFP Vista do porto cubano de Mariel: a Odebrecht liderou a construção do porto, um investimento de US$ 1 bilhão na ilha Blake Schmidt e Michael Smith, da Bloomberg O CEO da Odebrecht SA, Marcelo Odebrecht, disse que o conglomerado brasileiro de sua...

Petrobras termina 2014 com 5.200 funcionários a menos

26/04/2015 18:51
REUTERS/Sergio Moraes A queda mais expressiva de funcionários terceirizados deve ser explicada pela decisão da Petrobras de reduzir o ritmo de investimentos em 2014 André Magnabosco, do Estadão Conteúdo São Paulo - A crise que atingiu a Petrobras no ano passado colocou fim a uma...

Mastercard quer atingir milhões com acordo com Banco Mundial

23/04/2015 19:41
REUTERS/Soe Zeya Tun MasterCard: esse é um passo da estratégia da empresa de universalizar o acesso financeiro até 2020 Karin Salomão, de EXAME.com São Paulo - A MasterCard firmou uma parceria com uma instituição do Banco Mundial para atingir milhões de pessoas que ainda não têm...

OGPar depende de acordo com donos de plataformas

14/04/2015 21:29
Divulgação Plataforma de petróleo da OGX: segundo o presidente da empresa, a OGPar a empresa precisa fechar com urgência a negociação com os donos dos direitos de aluguel das plataformas Mariana Sallowicz, do Estadão Conteúdo Rio - Após fechar novo acordo na semana passada com os...

Fundos estrangeiros reduzem aplicação em ativos brasileiros

04/04/2015 15:00
FreeImage Dólar: expectativa de elevação dos juros pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, vem provocando realocação de carteiras Altamiro Silva Junior, do Estadão Conteúdo Nova York - O Brasil foi o país emergente que mais perdeu espaço nas carteiras dos fundos...

Arranjo de pagamento da Mastercard com Itaú começa neste ano

30/03/2015 14:53
Andrew Harrer/Bloomberg MasterCard: a bandeira fará a gestão do produto que é uma "evolução" em linha com o mercado de cartões que além de "grande", é "sofisticado" Aline Bronzati, do Estadão Conteúdo São Paulo - O novo arranjo de pagamentos de MasterCard e Itaú Unibanco,...

Petrobras contrata três bancos para vender ativos.

19/03/2015 15:37
Petrobras contrata três bancos para vender ativos Paulo Whitaker/Reuters Logotipo da Petrobras visto em refinaria em Cubatão: estatal precisa vender ativos para passar por 2015 sem acessar o mercado externo Cristiane Lucchesi e Sabrina Valle,...

As pedras no caminho de Levy: o ajuste está indo pra frente?

17/03/2015 16:43
Simon Dawson/Bloomberg   Joaquim Levy em conferência em Davos em janeiro de 2015 Simon Dawson/Bloomberg   São Paulo – No último 27 de novembro, momentos após ser confirmado como ministro da Fazenda, Joaquim Levy sentou na frente das câmeras e anunciou que o...

Vale transfere fatia em empresa na Guiné para BSG

14/03/2015 16:22
Divulgação Vale: empresa ressaltou que isso não significa qualquer renúncia no direito da mineradora de cobrar da BSGR a perda dos investimentos na parceria Da REUTERS São Paulo - A Vale informou que transferiu nesta sexta-feira sua participação acionária na joint venture...
<< 3 | 4 | 5 | 6 | 7 >>