Itaú Unibanco tem inadimplência de 4,2% no 1º trimestre

03/05/2011 10:40

O patamar é o mesmo do final de 2010


Altamiro Silva Júnior, da

Wikimedia Commons

Logo do Itaú

Com o crescimento da taxa de calotes, o Itaú Unibanco resolveu aumentar a provisão para devedores duvidosos

São Paulo - O índice de inadimplência do Itaú Unibanco começou o ano estável. O indicador, considerando os atrasos acima de 90 dias, ficou em 4,2% no primeiro trimestre de 2011, no mesmo nível do trimestre anterior. Na comparação anual houve queda, pois o indicador fechou março de 2010 em 4,8%.


A inadimplência no trimestre passado foi puxada pelas operações com pessoas jurídicas, principalmente pequenas e médias empresas. O indicador subiu de 2,9% no fim do ano passado para 3,1% em março deste ano. Na comparação com os meses de janeiro a março de 2010, houve uma queda, pois o indicador estava em 3,3%.

Nas operações com pessoas físicas, houve quedas tanto na comparação trimestral quanto na anual. Em dezembro, o índice estava em 5,8%, baixando para 5,7% em março de 2011. No primeiro trimestre de 2010, o indicador de inadimplência estava em 6,7%.

Com o crescimento da taxa de calotes, o Itaú Unibanco resolveu aumentar a provisão para devedores duvidosos (PDD). O saldo da PDD complementar subiu R$ 221 milhões no fim do primeiro trimestre deste ano, atingindo R$ 22,239 bilhões. Já o saldo da provisão mínima exigida pelo Banco Central (BC) teve queda de R$ 306 milhões no mesmo período.

Basileia

O índice de Basileia, que mede a solvência do banco - quanto ele pode emprestar no crédito sem comprometer o capital - ficou em 16,1%, abaixo dos 17,3% do primeiro trimestre de 2010. A queda foi puxada pelas operações de crédito, que cresceram 21,9% no período. Mesmo com a redução, o indicador ainda está bem acima do mínimo exigido pelo BC, de 11%. Na comparação com dezembro de 2010, houve melhora do índice, que estava em 15,4%.