Kepler Weber lucra R$ 7,3 milhões no 3º trimestre

14/11/2012 11:10

 

No acumulado do ano, o lucro líquido manteve-se em linha com o mesmo período de 2011, alcançando R$ 11,2 milhões

Mike Clarke/AFP
Grãos de café
Kepler Weber: a líder de mercado em armazenagem de grãos teve lucro líquido de R$ 7,3 milhões no terceiro trimestre deste ano

São Paulo- O Grupo Kepler Weber, líder de mercado em armazenagem de grãos, teve lucro líquido de R$ 7,3 milhões no terceiro trimestre deste ano, representando redução de 11,1% em comparação ao lucro de R$ 8,2 milhões em igual período de 2011.

No acumulado do ano, o lucro líquido manteve-se em linha com o mesmo período de 2011, alcançando R$ 11,2 milhões. A receita líquida do terceiro trimestre de 2012 caiu 24,6% ante mesmo período de 2011, de R$ 125,7 milhões para R$ 94,8 milhões. No acumulado de 2012, a receita líquida está levemente inferior a 2011 em 2,4%.

Em comunicado, a Kepler Weber informa que produtores optaram por adiar decisão de investimento em armazenagem, como reflexo da seca na virada do ano de 2011 para 2012, que atingiu os principais estados agrícolas da região Sul. Isso ocasionou "a queda observada nas receitas do terceiro trimestre, mas os bons desempenhos dos trimestres anteriores compensaram esta defasagem e o resultado acumulado foi o mesmo observado em 2011".

O resultado do Ebitda da empresa foi de R$ 12,2 milhões, com margem Ebitda de 12,9%, ante o resultado de R$ 18,3 milhões obtido em 2011, com margem de 14,6%. Até o fim de setembro de 2012, o Ebitda gerado pela Kepler foi de R$ 29,3 milhões ante R$ 29,8 milhões em 2011.

No trimestre, o Ebitda ficou em R$ 12,3 milhões (12,9% da receita líquida) em comparação com R$ 18,3 milhões em 2011 (14,6%). A Kepler Weber comenta que "a safra recorde deste ano, aliada à ampliação de crédito disponível para o setor agrícola e à excepcional elevação nos preços das commodities agrícolas, em decorrência da severa estiagem nos Estados Unidos e na Rússia, permite visualizar com otimismo o desempenho no volume de negócios da companhia para o fim do ano de 2012 e para o ano de 2013."

Este cenário, combinado com a desvalorização do real frente ao dólar americano, observada nos últimos meses, "reforça a competitividade da empresa nas exportações", conclui a companhia.