O ‘modus operandi’ da crise de 2008 é revelado

07/08/2012 10:32

 

E-mails entre banqueiros e a gestora Magnetar vem à tona e trazem detalhes sórdidos de uma especulação fraudulenta  

Size_80_gustavo-kahil
Gustavo Kahil, de
 
 
Wikimedia CommonsPlacas de imóveis à venda nos Estados UnidosProdutos financeiros teriam sido "criados para quebrar"

São Paulo – Uma troca de e-mails entre bancos e fundos durante 2006 revelada nesta semana ajuda a entender o processo que culminou na explosão de produtos financeiros que não tinham lastro ou que eram tão complicados que nem os próprios gestores os entendiam. As conversas estão relatadas em uma ação movida pelo banco italiano Intesa Sanpaolo contra o fundo Magnetar, aponta o site da organização independente de jornalismo ProPublica.

A administração da instituição italiana alega que o hedge fund americano teria criado produtos no valor de até 40 bilhões de dólares e os vendido para distribuidores ao mesmo tempo em que apostava contra os mesmos. O mecanismo fraudulento teria contribuído para a eclosão da crise de 2008, quando vários desses instrumentos alternativos de investimentos se provaram esqueletos. O Intesa afirma que alguns comprados pelo banco teriam gerado um prejuízo de 180 milhões de dólares. Segundo a acusação, eles teriam sido “criados para quebrar”.

A gestora Putnam Investments foi a gerente do acordo, denominado Pyxis 2006, que envolveu a criação de um pacote de 1 bilhão de dólares dos famigerados CDOs (Collateralized Debt Obligations) - cujos pagamentos são baseados em uma carteira de créditos hipotecários. Como ressalta o artigo da ProPublica, os gestores de produtos como o Pyxis devem agir em defesa dos interesses dos investidores. Porém, segundo o Intesa, a Putnam participou de um esquema com o Magnetar e o banco francês Calyon, que venderam o produto à Putnam.

Aposta contra

Em um e-mail de 14 de junho de 2006, um executivo da Calyon perguntava aos participantes da operação (incluindo aí o Deutsche Bank e o Magnetar) se a participação do hedge fund deveria ser mantida “atrás das cortinas e fora dos documentos” da “mesma forma que fizemos” com outro CDO da Magnetar. O Intesa alega que precisaria ter sido avisado do fato que o mesmo fundo que ajudou a criar o produto apostava contra ele.

Os acusados no caso do banco italiano negam que tenham criado uma conspiração e que os e-mails foram removidos do contexto. Ou seja, afirmaram que a questão sobre esconder o Magnetar da transação não tinha a ver com o fato de o fundo apostar contra o produto, fato que até então desconheciam. A SEC (Securities and Exchange Commission), regulador do mercado de capitais americano, multou em junho de 2011 o banco JP Morgan em 154 milhões de dólares por um caso parecido envolvendo o Magnetar.

  Entretanto, em setembro de 2006, um e-mail trocado entre executivos do Calyon e do Putnam mostra uma discussão sobre quem seria o investidor por trás de apostas contra o produto Pyxis. O executivo da Putnam afirma: “Com certeza é o Magnetar”. Ou seja, o gestor que era supostamente responsável por defender os interesses dos investidores (o Intesa, no caso) sabia das operações e não tomou atitude alguma.

O caso Hudson

Outro escândalo financeiro trazido às claras recentemente também ajuda a entender como os hedge funds e bancos operavam esses produtos. Com base em uma investigação do Subcomitê Permanente em Investigações do Senado americano, a revista Rolling Stone contou como o banco Goldman Sachs vendeu para investidores produtos que depois viriam a ser considerados como podres.


O banco comprou ativos hipotecários com um desconto e os revendeu para clientes com um preço maior e embolsou a diferença. “É um pouco como receber uma fatura de um decorador que, além da taxa pelos serviços, cobra de você 170 dólares um rolo de papel de parede de marca que ele está na verdade comprando atrás do caminhão por 63 dólares”, compara o jornalista Matt Taibi. 

Mas o Goldman tinha uma razão para fazer isso: O banco fez apostas enormes contra os ativos. Ou seja, quão pior o desempenho do Hudson, mais dinheiro o Goldman teria. O banco tinha enviado uma ordem expressa para que toda a equipe de vendas se livrasse o mais rápido possível dos títulos atrelados às hipotecas, antes que a bolha estourasse.

"Que m... é essa?"

Uma das vítimas foi o hedge fund australiano Basis Capital. “Compramos isso e o Goldman fez a primeira chamada de margem 16 dias depois”, disse Eric Lewis, advogado fundo, ao explicar como de repente o banco pediu que o cliente colocasse mais dinheiro para cobrir as perdas do produto. “Eles disseram, ‘Precisamos de 5 milhões de dólares’. Nós pensamos, mas que merda está acontecendo?”

Em um mês, o fundo perdeu 37,5 milhões de dólares e foi forçado a pedir falência. Para explicar como funciona o produto (o mesmo CDO) vendido pelo Goldman Sachs aos clientes vale citar uma nova analogia criada por Taibbi.

É como pegar todas as crianças que foram as últimas escolhidas para um jogo de vôlei em todas as escolas do estado, jogá-las em um novo ginásio, e então dizer que os 10 primeiros escolhidos seriam jogadores de nível bom. Então, você pega todas as crianças rejeitadas e as joga em um novo ginásio com crianças de 50 estados. Os 10 primeiros você nomeia de All-Americans. Era esse o nome do produto que foi vendido ao Basis.

 

 

Últimas Notícias

Ethiopian Airlines considera comprar aviões da Embraer

23/11/2015 23:30
©afp.com / Jenny Vaughan Ethiopian Airlines: empresa planeja quase que sobrar sua frota até 2025 Da REUTERS Montreal - A Ethiopian Airlines, maior companhia aérea da África, quer comprar 10 aviões de fuselagem estreita e está considerando jatos da brasileira Embraer e da...

Governo prepara capital bilionário para a Petrobras

20/11/2015 13:43
Paulo Whitaker/Reuters Reforço de capital: o aporte será via IHCD, uma operação que funciona como um contrato de crédito praticamente sem data de vencimento Adriana Fernandes e Mônica Ciarelli, do Estadão Conteúdo Brasília e Rio - O governo estuda um reforço bilionário na...

Petrobras negocia financiamentos de US$1,84 bi com agências

16/11/2015 21:48
REUTERS/Sergio Moraes Sede da Petrobras no Rio: a Petrobras afirmou que as operações estão em linha com sua estratégia de diversificação de fontes de financiamento Da REUTERS Rio de Janeiro - A Petrobras está concluindo negociações com agências de crédito internacionais em...

Cemig lucra R$ 166,954 milhões no 3º trimestre

14/11/2015 12:17
Arquivo Cemig: no acumulado de janeiro a setembro o lucro da companhia atingiu R$ 2,185 bilhões, alta de 8,21% sobre igual intervalo de 2014 André Magnabosco, do Estadão Conteúdo São Paulo - A estatal mineira Cemig acumulou lucro líquido de R$ 166,954 milhões no terceiro...

Prejuízo da Rossi diminui 35% no 3º trimestre

10/11/2015 21:07
Divulgação Rossi Residencial: receita líquida alcançou R$ 259,4 milhões, queda de 37,4% na comparação anual Fátima Laranjeira, do Estadão Conteúdo A Rossi Residencial registrou prejuízo líquido de R$ 171,1 milhões no terceiro trimestre de 2015, valor 35% menor do que as perdas de...

Valor de ativos à venda no Brasil chega a R$ 150 bilhões

08/11/2015 19:57
Ueslei Marcelino/Reuters Só a Petrobras quer levantar US$ 15,1 bilhões em 2015 e 2016 com a venda de ativos Naiana Oscar e Mônica Scaramuzzo, do Estadão Conteúdo São Paulo - O Brasil tem, neste momento, cerca de R$ 150 bilhões em ativos à venda, segundo cálculos feitos por bancos...

Lucro da Tractebel cai 35% no 3° tri para R$347,6 m

06/11/2015 19:01
Arquivo Tractebel Energia Tractebel: lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da companhia somou 771,7 milhões de reais no terceiro trimestre Da REUTERS São Paulo - A geradora Tractebel Energia reportou...

CCR tem queda de 28,6% no lucro do 3º trimestre

27/10/2015 21:29
Wikimedia Commons CCR: companhia obteve melhora no resultado operacional no período Da REUTERS São Paulo - A companhia de concessões de infraestrutura CCR teve queda de 28,6 por cento no lucro líquido do terceiro trimestre na comparação anual, a 247 milhões de reais, em resultado...

Assembleia de Deus vai lançar operadora de celular

30/09/2015 21:07
Getty Images Celular: a mais nova operadora virtual do país vai se chamar Mais AD e tem parceria com a Movtte Da REUTERS São Paulo - A Assembleia de Deus, que tem cerca de 18 milhões de fiéis no Brasil, vai lançar uma operadora de celular que utilizará capacidade de rede da...

BTG conclui compra de suíço BSI por US$1,29 bi, diz fonte

15/09/2015 19:44
Gustavo Kahil / Exame.com BTG Pactual: o grupo liderado por André Esteves anunciou nesta terça-feira ter pago 1,25 bilhão de francos suíços para selar a compra Aluísio Alves e Guillermo Parra-Bernal, da REUTERS São Paulo - O BTG Pactual concluiu a compra da gestora suíça de...
<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>