O que ainda pode piorar para Eike, após calote da OGX

01/10/2013 20:27

Pedir recuperação judicial da OGX é apenas uma das dores de cabeça que podem vir

Size_80_marcio-juliboni
Márcio Juliboni, de

Jonathan Alcorn/ Bloomberg

Eike Batista, CEO da EBX

Eike Batista, fundador da OGX: calote da petrolífera pode ser apenas o começo de mais dores de cabeça

São Paulo – Em recente entrevista ao influente The Wall Street Journal, Eike Batista culpou, entre outros, os astros pela má fase nos negócios. Literalmente, ele declarou: "se você olhar para o meu mapa astrológico, esse período não foi favorável para mim. O bom momento? Ele já começou, literalmente, este mês.” O problema é que o calote da OGX mostra que o inferno astral de Eike ainda não passou.

A suspensão do pagamento de 45 milhões de dólares em juros que a petrolífera de Eike deve aos detentores de notes já era amplamente esperada pelo mercado, dada a sua anêmica situação de caixa. Sua confirmação, porém, pode gerar um efeito-dominó que pioraria em muito a situação do ex-bilionário.

Algumas possíveis consequências seriam:

Recuperação judicial da OGX

O calote no pagamento dos juros só reforça a impressão de que a OGX se prepara para pedir recuperação judicial. Seria um arranhão e tanto na imagem de Eike por alguns motivos. O primeiro é, obviamente, reconhecer que os planos da OGX fizeram água e que, em vez de se tornar uma “mini-Petrobras”, a empresa virou um grande problema para credores e fornecedores.

Outro motivo é que a OGX seria a primeira empresa integrante do Ibovespa, o principal indicador da bolsa de valores brasileira, a pedir recuperação judicial – algo que pode embaraçar muita gente, além do próprio Eike.

Por fim, a recuperação judicial da OGX submeteria a gestão da empresa a uma assembleia de credores – o que retiraria praticamente todo o poder de Eike sobre a companhia.

Recuperação judicial da OSX

Uma vítima da recuperação judicial da OGX seria a sua coirmã OSX, fundada por Eike para construir e gerir as plataformas de petróleo e demais embarcações da petrolífera. Cresce, no mercado, a avaliação de que a OSX teria que seguir o mesmo caminho da OGX e pedir amparo da lei para se reorganizar.

Hoje, a OGX é a maior cliente da OSX. Seria um golpe e tanto nos planos de Eike, que chegou a apresentar a OSX como a “Embraer dos mares”, durante as apresentações da empresa a investidores.

 

Execução da dívida de US$ 1 bilhão com a OGX

O contrato de injeção de 1 bilhão de dólares na OGX determina que Eike só não seria obrigado a arcar com sua obrigação, se deixasse de ser o dono da empresa. O que o contrato não esclarece é se essa condição vale, também, para o caso de Eike vender o controle da OGX após a empresa exercer seu direito de cobrar o dinheiro – coisa que aconteceu no começo de setembro.

Parte dos analistas acredita que, mesmo vendendo a empresa ou sendo diluído num aporte de capital, Eike já virou devedor da OGX, pois a empresa já exerceu sua opção – e o dinheiro não chegou ainda.

Execução de outras dívidas

Não é só para a OGX que Eike deve dinheiro. Um grande credor é o fundo soberano de Abu Dhabi, o Mubadala. Mesmo resgatando parte do dinheiro que os árabes aplicaram no Grupo EBX, Eike ainda deveria cerca de 1,5 bilhão de dólares ao Mubadala.

Como garantia, Eike teria dado bens pessoais e ações de suas empresas. Recentemente, a coluna Radar, de Veja, informou que, entre essas garantias ao Mubadala, está a fatia de 50% que Eike possui no festival Rock in Rio – o que impede o criador do evento, Roberto Medina, de recomprá-la sem o aval dos árabes.

O Mubadala e Eike teriam chegado a um acordo para que a EBX pague o resto da dívida até 2107.

Garantias incertas

Eike pode ter que dar suas garantias em troca das dívidas que fez para investir o Grupo EBX, inclusive com o BNDES. O problema é que boa parte delas são lotes de ações de suas empresas. Como a crise de confiança do mercado arrasou o valor das companhias na bolsa, essas garantias valem bem menos do que na época em que serviram de calço para empréstimos, por exemplo.

Os bancos já perceberam o problema. Em julho, o Itaú e o Bradesco aceitaram dar mais prazo para que as empresas de Eike paguem as dívidas que venceriam nos próximos 12 meses, estimadas em 1,5 bilhão de reais com os dois.

Em troca, porém, exigiram garantias reais para a rolagem, como imóveis e contas a receber das empresas envolvidas. A dúvida que persiste, porém, é se essas garantias reais são suficientes para cobrir todos os compromissos.

Com tantas variáveis ameaçando os negócios de Eike, é bom mesmo que os astros estejam a seu favor, como ele afirmou ao WSJ.

 

Últimas Notícias

Desafios da Petrobras ficam mais difíceis, diz Credit Suisse

11/09/2015 00:26
Dado Galdieri/Bloomberg Petrobras: de acordo com o banco, pesam sobre a companhia sua necessidade de financiamento de US$ 25 bilhões por ano Antonio Pita, do Estadão Conteúdo Rio - O cenário que já era delicado e preocupante para a Petrobras ficou ainda mais difícil após o...

Gerdau reajusta preços de aços longos, dizem fontes

08/09/2015 22:34
Paulo Fridman/Bloomberg News Gerdau: notificação do reajuste ocorreu entre o fim de agosto e o início deste mês Da REUTERS São Paulo - A Gerdau comunicou aos distribuidores de produtos siderúrgicos um aumento de cerca de 15 por cento nos preços de toda a sua linha de aços longos,...

Walmart vai parar de vender fuzis e outras armas nos EUA

26/08/2015 20:41
Joshua Lott/Files/Reuters Fuzil AR-15 em exposição Jonas Carvalho, de EXAME.com São Paulo – O Walmart informou hoje que vai parar de vender armas semiautomáticas em suas lojas nos Estados Unidos. O maior vendedor de armas e munições americano diz que a decisão é somente comercial e...

CCX obtém novo prazo para desenvolver concessão na Colômbia

28/07/2015 20:41
Divulgação CCX explora carvão na Colômbia: empresa declarou que o prazo para apresentação do plano foi prorrogado para setembro de 2017 Da REUTERS Rio de Janeiro - A mineradora CCX Colômbia informou nesta terça-feira que obteve permissão da Agencia Nacional de Mineria da Colômbia...

Santander reformula pacotes de conta corrente

21/07/2015 21:03
Getty Images Com a mudança, o cliente do Santander poderá escolher entre dois tipos de pacotes de serviços de conta corrente Aline Bronzati, do Estadão Conteúdo São Paulo - O Santander reformulou seus pacotes de conta corrente, lançados há dois anos, e vai permitir que a tarifa...

Com crescimento lento, empresas buscam fusões e aquisições

22/06/2015 21:24
Giuseppe Cacace/Getty Images Parmalat: compra da área de laticínios da BRF por R$ 1,8 bilhão foi uma das transações feitas no Brasil este ano Luísa Melo, de EXAME.com São Paulo - Em tempos de crise e queda no consumo, como agora, crescer organicamente é uma tarefa...

Marfrig dispara após venda bilionária para dona da Friboi

22/06/2015 15:20
                  O negócio segue a estratégia da JBS de crescer em alimentos processados São Paulo - As ações ordinárias da Marfrig lideravam a alta do Ibovespa nesta...

Crise não preocupa no longo prazo, diz presidente da Ambev

02/06/2015 20:44
Germano Lüders / EXAME Fábrica da Ambev: previsão é gastar R$ 3 bilhões neste ano, no mesmo patamar de 2014. Fernanda Nunes, do Estadão Conteúdo Rio de Janeiro - A crise econômica no Brasil não deve afetar os negócios da cervejaria Ambev neste ano, afirmou nesta...

Citi descarta comprar HSBC e vender Elavon no Brasil

27/05/2015 23:38
Mario Tama/Getty Images Prédio Citigroup Center: o banco está poupando dinheiro, pois prevê que os índices de inadimplência do setor bancário no país devem crescer nos próximos trimestres Da REUTERS São Paulo - O Citi já tomou as decisões importantes em termos de alienação de...

Com aumento de impostos, bancos têm semana trágica na Bolsa

25/05/2015 11:45
  RecomendeCompartilhar no TwitterCompartilhar no Google+Compartilhar no LinkedIn 1.148 views0 Salvar notícia Getty Images São Paulo - A expectativa de que o governo aumentaria os impostos das instituições financeiras impactaram as ações...
<< 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >>