Petrobras pretende vender refinaria em Houston, diz WSJ

28/11/2012 09:39

 

A venda da refinaria, que tem capacidade para processar 100 mil barris por dia, provavelmente vai resultar em prejuízo para a companhia

Danielle Chaves, do
Omar Torres/AFP
Refinaria de petróleo nos EUA
Refinaria em Houston: a estatal brasileira comprou uma fatia de 50% na refinaria em 2006, por US$ 360 milhões

Nova York - A Petrobras selecionou o Citigroup para vender sua refinaria na área de Houston, nos EUA, enquanto continua se desfazendo de ativos para ajudar a financiar a exploração em alto mar no Brasil, afirmaram ao Wall Street Journal fontes com conhecimento do assunto.

A venda da refinaria, que tem capacidade para processar 100 mil barris por dia, provavelmente vai resultar em prejuízo para a companhia, que pagou quase US$ 1,2 bilhão pela unidade, segundo as fontes.

A estatal brasileira comprou uma fatia de 50% na refinaria em 2006, por US$ 360 milhões. Em seguida, após uma batalha judicial com o parceiro na empresa, a Petrobras adquiriu os 50% restantes em julho, por US$ 820,5 milhões, sendo US$ 466 milhões estabelecidos como o valor da propriedade e o restante para cobrir taxas judiciais e gastos com juros.

O valor levou alguns parlamentares brasileiros a questionarem a compra. Apesar disso, a refinaria pode ser considerada atraente, principalmente por causa de sua localização.

Localizada em Pasadena, no Texas, ao sul de Houston, a refinaria está bem posicionada para receber as crescentes ofertas de petróleo bruto extraído de formações de xisto no Estado, segundo Allen Good, analista da Morningstar, que acrescentou que a localização no canal navegável de Houston é uma importante ligação com os mercados de exportação.

Mais de metade da produção da refinaria de Pasadena se compõe de gasolina, um combustível cuja demanda está aumentando na América Latina.

A Petrobras está em meio a um esforço para se desfazer de cerca de US$ 15 bilhões em ativos antes de 2017, enquanto tenta levantar recursos para financiar o desenvolvimento dos campos de petróleo profundos em alto mar no Brasil. A companhia planeja gastar US$ 237 bilhões no desenvolvimento do pré-sal. Anteriormente, a estatal contratou o Morgan Stanley para ajudar a encontrar um comprador para uma fatia em seus campos no Golfo do México. As informações são da Dow Jones.